terça-feira, 30 de agosto de 2016

WhatsApp começa a compartilhar dados com Facebook; entenda o que muda

O WhatsApp anunciou na última quinta-feira (25) uma mudança na forma como lida com os dados dos usuários, com o objetivo de compartilhar informações com o Facebook. A rede social é dona do mensageiro, considerado o aplicativo mais popular do Brasil. A mudança tem relação com uma atualização nos termos de serviço do WhatsApp, aquele conjunto de regras jurídicas com as quais todo internauta concorda ao instalar o programa.

De acordo com o WhatsApp, essa é a primeira vez que os termos de uso e privacidade são alterados nos últimos quatro anos. Entenda o que muda para você.

Compartilhamento com o Facebook

A imagem que você vê abaixo retrata uma mensagem que os usuários do WhatsApp passarão a receber nos smartphones com Android e nos iPhones (iOS). Será desta forma que o WhatsApp pedirá autorização para vincular o número de celular com o perfil no Facebook.

Mensagem de compartilhamento de dados entre WhatsApp e Facebook (Foto: Divulgação/Facebook)

Os usuários que não quiserem o compartilhamento dos dados terão "até 30 dias para decidir se gostariam de concordar e continuar utilizando o WhatsApp".  Além disso, os novos usuários serão obrigados a aceitar a nova política de privacidade e termos de uso para usar o aplicativo – eles não terão escolha.

A integração do WhatsApp com o Facebook permitirá à rede social saber "com que frequência as pessoas usam nosso aplicativo e também conseguiremos ser mais eficazes no combate ao spam". A mudança nos termos de serviço também possibilitará "melhores sugestões de amizade e anúncios mais relevantes" no Facebook.

A lógica é a seguinte: ao trocar mensagens com uma loja pelo WhatsApp, a possibilidade de ver uma propaganda desta loja no Facebook aumenta. Além da rede social, o compartilhamento dos dados também poderá valer para outros aplicativos mantidos pelo Facebook, como o Instagram e o MSQRD.

O escritório do WhatsApp ressaltou que não vai exibir publicidade estilo banner – como as imagens publicitárias vistas em páginas da internet – nas janelas do mensageiro. "Por exemplo, você poderá receber notificações sobre o status do voo de sua viagem, um recibo de uma compra que você tenha feito, ou uma notificação assim que uma entrega tenha sido feita. Mensagens de marketing que você venha a receber poderão conter ofertas de algo que lhe interesse", explica a documentação oficial do aplicativo.

Criptografia e privacidade

Tela de confirmação de código de segurança no WhatsApp (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Apesar de explorar os dados dos usuários para gerar mais receita para o Facebook, o WhatsApp afirma que continua comprometido com a proteção das mensagens enviadas a amigos e grupos. A criptografia de ponta a ponta foi ativada no primeiro semestre de 2016 e impede que o próprio WhatsApp, o Facebook e terceiros interceptem o conteúdo das mensagens em texto, imagem ou vídeo.

"Nós também não iremos vender, compartilhar ou disponibilizar o seu número de telefone para anunciantes", informa a nota.

Fonte: techtudo.com.br

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Como proteger equipamentos eletrônicos contra quedas e oscilações de energia

Você sabia que de outubro a janeiro são os períodos com maiores índices de interrupções de energia no Brasil, segundo dados da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica)? Tendo em vista esse dado, é importante saber como podemos proteger nossos equipamentos eletrônicos contra as diversas anomalias da rede elétrica, tais como picos de tensão e até mesmo quedas repentinas no fornecimento de energia.

Veja agora como podemos proteger nossos PCs, notebooks e demais dispositivos eletrônicos desses perigos que podem ser até fatais.

Veja como proteger aparelhos eletrônicos contra quedas de energia (Foto: Reprodução/Good Wallpapers)

A importância de uma boa proteção

O corte repentino do fornecimento de energia ou qualquer outro problema do tipo, tais como flutuações na tensão da rede elétrica, podem danificar ou até mesmo queimar os dispositivos eletrônicos. Os danos causados por esse tipo de problema afetam não só usuários domésticos, mas especialmente empresas que lidam com dados ou serviços cruciais.

Se você acha inconveniente perder um trabalho da faculdade, por exemplo, por ter esquecido de salvar e, em determinado momento, a energia caiu, imagine uma empresa cujo servidor pare de funcionar devido a um problema na rede elétrica. Mesmo que seja por questão de minutos, essa empresa sofre com uma queda terrível na produtividade e consequente perda de dinheiro.

Imagine também um hospital, que precisa de um constante fornecimento de energia para manter ligados equipamentos que estão mantendo pessoas vivas. Qualquer problema na rede elétrica pode custar não apenas dinheiro, mas vidas preciosas que, no momento, dependiam de máquinas para continuarem lutando pela sobrevivência. Tendo esses cenários em mente, não é difícil entender por que é tao importante investirmos corretamente na proteção elétrica de nossas máquinas, sejam computadores, notebooks, impressoras ou qualquer outro dispositivo.

Como proteger os equipamentos eletrônicos?

Existem algumas maneiras de proteger os dispositivos eletrônicos. Para usuários domésticos, é possível usar estabilizadores de tensão, filtros de linha e nobreaks. Para o caso de empresas, tanto de pequeno como de grande porte, o uso de nobreaks mais parrudos e até de geradores de energia se fazem necessários. Mas qual tipo de proteção é a melhor?

Estabilizadores, filtros de linha ou nobreaks?

Filtro de linha, estabilizador e nobreak (Foto: Divulgação)

Os estabilizadores de tensão, simplesmente conhecidos como estabilizadores, foram largamente utilizados na década de 1990 e inicio da década de 2000. Mas, felizmente, eles são cada vez mais raros. Um estabilizador tem por função manter a tensão da rede elétrica constante, sem muitas flutuações.

Porém, para se construir um estabilizador de tensão realmente eficiente, são gastos algumas centenas de reais. Sendo assim, o preço final de um bom estabilizador não agrada muito ao bolso. Entretanto, a grande maioria dos estabilizadores vendidos no Brasil em lojas de informática custavam de R$ 50 a R$ 70. Em outras palavras, eles mais atrapalhavam do que ajudavam. Portanto, não são uma boa alternativa para proteger seus equipamentos.

Com o tempo, os estabilizadores foram substituídos pelos filtros de linha, que possuem a mesma função. Porém, um bom filtro de linha não custa menos do que R$ 100. Assim como os estabilizadores, a maioria dos filtros de linha vendidos no Brasil são de baixa qualidade, em muitos casos não apresentando sequer uma placa eletrônica para controlar a tensão da rede. O máximo que eles trazem é fusível que queima quando há um pico de energia, desligando as máquinas ligadas a ele de maneira brusca. Sendo assim, só compre filtros de linha se forem de boa qualidade.

Filtros de linha permitem a conexão segura de diversos aparelhos eletrônicos (Foto: Reprodução)

Nobreaks, por sua vez, têm uma outra função: no caso de uma queda repentina de energia, ele guarda um pouco de carga para manter seu PC funcionando por alguns minutos. Note que os nobreaks para uso doméstico possuem uma bateria interna que garante apenas alguns minutos a mais de uso, o suficiente para você salvar os sus trabalhos e desligar o computador da maneira adequada. ligue no nobreak apenas os equipamentos essenciais para o seu trabalho, como o computador, o monitor, o modem e o roteador de internet. Não é apropriado ligar impressoras ou carregadores de celular, por exemplo.

Proteção empresarial

As empresas, porém, precisam de soluções mais robustas. No mercado existem diversos modelos de nobreaks que garantem horas de uso contínuo, mas por serem muito grandes não são adequados para o uso doméstico. Além disso, em ambientes que trabalham com dados sensíveis como data centers e também em hospitais, é interessante fazer uso do gerador.

Nobreaks evitam o desligamento dos equipamentos na falta de energia elétrica (Foto: Divulgação)

Os geradores, como o nome deixa claro, geram energia elétrica através de combustível. Porém, eles podem demorar de alguns segundos a vários minutos para serem acionados. Portanto, o ideal é a utilização do conjunto nobreaks e geradores. No caso da queda de energia, os nobreaks vão manter todas as máquinas funcionando e, se a falta de luz for perdurar por mais tempo, os geradores garantirão o fornecimento constante de energia para as máquinas.

Invista em uma boa fonte de alimentação

Voltando para o mercado doméstico e falando especificamente dos computadores de mesa, se ele é a sua ferramenta de trabalho, invista em uma finte de alimentação de qualidade. Não será barato, mas o gasto compensa à longo prazo, tanto por evitar danos ao equipamento por conta de anomalias na rede elétrica, como por economizarem mais energia.

Uma boa fonte de alimentação é essencial para a proteção do PC (Foto: Divulgação/Corsair)

As fontes com certificação 80 Plus rendem uma boa economia de energia e são construídas com tecnologias que corrigem a tensão da rede elétrica, já fazendo o papel dos estabilizadores ou filtros de linha.

Esperamos que, com essas dicas, você agora possa proteger adequadamente seus equipamentos eletrônicos contra qualquer tipo de problema na rede elétrica.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Como saber se alguém está acessando seu PC

Alguns usuários, para não esquecerem suas senhas, escrevem alguma dica ou compartilham o código com alguém, o que pode ser tornar uma atitude perigosa. A chance dessa informação vazar é muito maior quando alguém, além de você, tem acesso ao seu computador e aplicativos.

Por isso, caso desconfie que outra pessoa está usando o seu PC com Windows, confira dicas para descobrir se, realmente, alguém está acessando o computador na sua ausência. Há duas maneiras para verificar se houve acesso não autorizado à sua conta do Windows ou não.

Veja se alguém está acessando seu PC com Windows (Foto: Melissa Cruz/TechTudo) 

1) Registro de atividades recentes

Para saber se alguém acessou o PC com a sua conta, verifique se há alterações no computador que não foram feitas por você. Para isso, confira os programas abertos recentemente no Menu Iniciar.

No menu Iniciar, veja os programas mais recentes que foram abertos. Neste caso, verifique a listagem e procure por uma ação que você não usou recentemente. Também é possível ver se foi aberto algum documento, basta clicar na seta ao lado do nome do programa em “Mais usados”.

Outros lugares comuns para procurar por mudanças são: o histórico do navegador, documentos recentes e a opção “Programas”, que fica no painel de controle e mostra os programas adicionados e instalados na máquina recentemente.

Verificando as atividades recentes pelo menu Iniciar do Windows 10 (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)

Entretanto, lembre-se: a pessoa que acessou sua conta sem permissão também pode excluir esses itens no Menu Iniciar e evitar que você descubra algo dessa forma. Veja, a seguir, outros métodos.

2) Visualizador de eventos do Windows

O procedimento anterior serve apenas para alertar que algo está errado. Mas o Windows mantém um registro completo de quando uma conta é logada com sucesso e as tentativas de fazer login que falharam. Essas informações estão no Visualizador de Eventos do Windows.

Passo 1. Pressione as teclas “Win + R”, e digite eventvwr.msc na caixa de diálogo “Executar”.

Depois, pressione Enter e o Visualizador de Eventos será aberto;

Executando o Visualizador de eventos do Windows (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)

Passo 2. No Visualizador, dê um clique duplo no botão “Logs do Windows”. Em seguida, clique em “Segurança”. No painel do meio há várias entradas de início de sessão com data e hora que ocorreram.

Toda vez que você entrar, o Windows registra logs, as entradas de início de sessão dentro de um período total de dois a quatro minutos. Se algum horário não estiver de acordo com os logins feitos por você — em horários em que você não está em casa — isso significa que alguém usou sua conta;

Acessando os registros de segurança no Visualizador de eventos (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)

Passo 3. Também é possível verificar se determinada conta foi acessada durante esse período (se você tiver várias contas). Para isso, clique duas vezes na entrada que possui o rótulo “Logon especial” que foi criada durante esse período.


Imediatamente, a janela “Propriedades do evento” será aberta e você conseguirá ver o nome da conta usada.

Visualizando um registro de login no Visualizador de eventos (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)

As dicas acima não vão revelar qual pessoa está acessando a sua conta Microsoft — e, no caso, o seu computador — mas se existe alguém fazendo o acesso. Entretanto, é possível descobrir utilizando awebcam do computador como câmera de segurança ou a própria câmera do celular.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Windows 10: evite problemas e escolha como as atualizações são instaladas

O Windows 10 já está presente em mais de 75 milhões de dispositivos em todo o mundo. A adoção do novo sistema operacional tem caminhado a passos largos, e a Microsoft, claro, certamente está adorando.

O novo SO trouxe novidades e melhorias extremamente bem vindas, além de algumas polêmicas e problemas.

A Microsoft, além disso, deu um jeito de forçar as atualizações (via Windows Update) para todos os usuários. No Windows 10, não é possível ignorar os updates, embora os usuários da versão Pro possam adiar um pouco sua instalação.


Já no caso da versão Home, tudo é muito mais rápido e automático. Mas felizmente existe uma maneira de controlarmos pelo menos quando as atualizações devem ser instaladas, após o download.

É interessante ressaltarmos que um dos motivos para a Microsoft ter tomado tal decisão (devidamente mencionada nos termos da licença do Windows 10) foi aumentar a segurança dos usuários, forçando assim, por exemplo, a aplicação de correções e pacotes de segurança. Sem falar, é claro, que assim a empresa também reduz a fragmentação de sua plataforma, fazendo com que todos rodem as mesmas versões.

As instalações das atualizações baixadas podem causar problemas, entretanto. Você pode ter seu PC reiniciado sem que aquele documento importante no qual estava trabalhando tenha sido salvo.

Que tal, então, escolher quando o PC deve reiniciar para concluir a instalação dos updates?

1) No menu “Iniciar”, acesse a opção “Configurações”:


2) No aplicativo de configurações, acesse o grupo de opções “Atualização e segurança”:


3) Na próxima tela, clique em “Windows Update”, à esquerda, e utilize o link “Opções avançadas”, à direita:


4) Na tela seguinte, você perceberá que o Windows está configurado para instalar as atualizações automaticamente. O computador, desta forma, será reiniciado automaticamente quando você não o estiver usando.

Vamos alterar esta configuração. Mude para “Avisar antes de agendar reinicialização”, conforme imagem abaixo:


Pronto, a partir de agora você será notificado assim que uma atualização for baixada e estiver pronta para ser instalada. O Windows 10 irá também sugerir uma data e um horário, mas você pode alterar estas informações, de acordo com sua agenda e disponibilidade.

A partir de então, o sistema operacional também irá lhe avisar conforme for chegando o horário agendado. Uma janela é exibida nestas ocasiões, a qual possui inclusive um botão para o reagendamento, caso necessário:


Fonte: codigofonte.uol.com.br